Kit Escolar 2019

UM POUCO SOBRE A COOPECREMT-UFMG             

A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Trabalhadores da Universidade Federal de Minas Gerais – COOPECREMT-UFMG – foi criada em 19 de novembro de 1997, a partir das demandas apresentadas por um grupo de servidores da UFMG, tendo em vista a necessidade de atendimento especial em situações emergenciais. Possui atualmente 2080 cooperados cotistas, trabalhadores do quadro permanente da Universidade e de empresas que atuam no seu âmbito.

A COOPECREMT-UFMG é hoje uma instituição consolidada, principalmente considerando-se a evolução e o crescimento da mesma no decorrer destes anos, que a tornaram sustentável, permitindo que ela obtivesse excelentes resultados, o que tornou o seu planejamento estratégico muito mais eficaz.

Dentre as vantagens em relação a outras entidades congêneres que atuam na UFMG, está o relacionamento com os cooperados, considerado o maior diferencial no atendimento. Na COOPECREMT-UFMG, o associado tem acesso não somente aos atendentes, como também a todos os membros do Conselho de Administração. Ainda, o ideal do Cooperativismo – união sem discriminação, oferta de benefícios equânimes a todos, democracia – permeiam o dia-a-dia e o trabalho realizado na entidade.

A Cooperativa localiza-se nas proximidades do Campus Pampulha, à av. Professor Magalhães Penido, 689, bairro Liberdade, Belo Horizonte, Minas Gerais.

COOPERATIVISMO DE CRÉDITO

Origem

O cooperativismo de crédito surgiu no Brasil no começo do século XX, com ações oriundas principalmente nos estados de São Paulo e Rio Grande do Sul. A primeira cooperativa de crédito surgiu em Nova Petrópolis, RS, em 28/12/1902. No final da década de 50 foram introduzidas no Brasil as ideias do canadense Desjardins, criando o modelo de cooperativa de crédito mútuo. Em 1958 foi criada a Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, no Rio de Janeiro. Hoje, no Brasil, existem mais de 1400 cooperativas do ramo Crédito.

O que é Cooperativa de Crédito?

A cooperativa de crédito é um empreendimento econômico-social, democrático e autogestionário regido pela Lei 5.764/71 e por Resoluções do Conselho Monetário Nacional.

É uma instituição financeira, formada por uma sociedade de pessoas, com forma e natureza jurídica própria, sem fins lucrativos e fiscalizada pelo Banco Central do Brasil. Quando um grupo de pessoas constitui uma cooperativa de crédito, o objetivo é propiciar crédito e prestar serviços financeiros de modo mais simples e vantajoso para seus associados. As Cooperativas de Crédito são sociedades de pessoas, possuem natureza jurídica civil e não são sujeitas à falência.

Foram constituídas para prestar serviços aos seus associados e distinguem-se das demais sociedades pelas seguintes características:

O cooperativismo de crédito visa conceder empréstimos individuais baseados em poupança coletiva e promover a educação econômica e financeira dos seus cooperados, além de estabelecer a poupança sistemática, chegando, atualmente, à prestação de serviços bancários completos.

É importante ressaltar que os recursos captados pelas cooperativas de crédito são aplicados em seu local de origem, aumentando a produção e atendendo aos fins sociais decididos pelos sócios, com base em interesses comunitários.

Conceitos

Cooperativismo: doutrina econômica e social que representa uma forma alternativa de geração de trabalho e renda. Tem um papel includente e uma lógica diferente da vigente no sistema mercantilista.

Cooperativa: é uma associação autônoma de pessoas que se unem voluntariamente para satisfazer suas necessidades econômicas, sociais e culturais, por meio de uma empresa de propriedade comum e democraticamente gerida.

Cooperar: trabalhar em comum, colaborar, ajudar e auxiliar solidariamente.

Objetivos

Quais são as modalidades de cooperativas de crédito?

Quais são as vantagens?

Qual a diferença entre a Cooperativa e os Bancos?

Enquanto os bancos privilegiam o capital e o acúmulo de patrimônio através de margens de lucros cada vez maiores, as cooperativas privilegiam as pessoas, gerando recursos para sua manutenção, expansão e diversificação.

A atuação do banco é de caráter eminentemente econômico, direcionando o capital para as aplicações mais lucrativas, mesmo que desvinculadas de produção e consumo, que é o que gera a riqueza do país.

A atuação da cooperativa é de caráter mais social, atendendo prontamente as necessidades específicas dos cooperados e da sociedade onde está inserida, otimizando a distribuição e a circulação da renda, podendo e devendo atuar como agente de desenvolvimento local.